RH, DHO, Gente e Gestão – Evolução ou Crise de Identidade?

Trabalho em Recursos Humanos há quase 20 anos, e durante este tempo posso dizer que tive a oportunidade de viver várias mudanças e conhecer diversos modelos de atuação da área de RH, desde a atuação em uma estrutura tradicional organizada por departamentos (Administração de Folha, Treinamento & Desenvolvimento, Recrutamento& Seleção e Remuneração e Benefícios), até a mais recente, mas não tão nova assim... estrutura organizada por Centros de Expertise (CoEs), Parceiros de Negócio ( BPs – Business Partners) e Centro de Serviços Compartilhados (Shared Services), proposta por David Ulrich em 2000 no seu livro Recursos Humanos Estratégicos.

Em todas as mudanças de modelo que presenciei, independente do segmento de atuação da empresa, algo curioso acontecia: havia sempre um momento de discussão dentro do próprio time de RH sobre "Qual deveria ser o novo nome da área ou diretoria". A idéia de “rebatizar” a área tinha como objetivo comunicar esta evolução para as áreas clientes, como uma forma de mudar a percepção que tinham de RH, de uma área operacional e em alguns casos assistencialista, para uma área de atuação estratégica e indispensável ao negócio. A comunicação era feita, mas...não era incomum que as áreas clientes continuassem a chamar o RH pelo antigo nome, pois a mudança parecia pouco importar.... Já no caso dos profissionais de RH, isto era quase uma ofensa!

Ocorre que manter ou mudar o nome da área de Recursos Humanos não é motivo para se sentir ofendido. Ao meu ver, esta é a menor das questões sobre o papel e a importância desta função dentro das organizações, pois comunicar uma mudança não garante que ela de fato aconteça ou que seja percebida...A relevância da área é fruto dos resultados que ela entrega para atender os objetivos do negócio, no conjunto de todas as suas atividades, sejam elas operacionais, táticas ou estratégicas.

Eu presenciei esta mesma discussão sobre o nome nas subáreas de RH quando T&D (treinamento e desenvolvimento) passou a se chamar Talent Development e depois quando R&S (Recrutamento e Seleção) começou a ser chamado de Talent Acquisition.

Em 2009 quando assumi a área de Recrutamento e Seleção de uma empresa em que eu trabalhava, a primeira pergunta que meu time fez foi: “Vamos mudar o nome da área para Talent Acquisition?”, e eu respondi “Não, nós não vamos mudar o nome da área. Vamos continuar chamando a área de Recrutamento e Seleção, pois hoje é isto o que fazemos e ainda precisamos melhorar em muito o nosso processo. Hoje trabalhamos de uma forma reativa as demandas de vagas que temos para preencher, e não há motivo para mudar o nome da área se continuamos a entregar o mesmo processo e serviço para os nossos clientes internos. Prefiro sermos reconhecidos como uma área que entrega Recrutamento e Seleção com excelência, do que chamar a area de Talent Acquisition e não entregar para o cliente interno uma percepção de valor diferente e coerente com o que o conceito de aquisição de talentos traz. (no caso, uma atuação estratégica de antecipação de necessidades – tanto o mapeamento de profissionais com novos conhecimentos que serão necessários ao negócio no futuro, quanto o de potenciais sucessores internos e externos para posições críticas e estratégicas que garantirão a sustentabilidade do negócio)”. Foi um “balde de agua fria” pois o time esperava que uma mudança de nome trouxesse uma melhor percepção ou status para a área de Recrutamento e Seleção, uma vez que dentro de RH este processo era visto com menos “glamour” que Treinamento e Desenvolvimento e com menor importância para o negocio do que Remuneração.

Neste momento lembrei das discussões (quase intermináveis) sobre a mudança do nome e da atuação de RH. Afinal, será que realmente estamos evoluindo nossos processos frente as mudanças que estão ocorrendo na sociedade, tecnologia e nos negócios, ou isto não passa de uma questão de autoestima?

Particularmente, eu nunca me deparei com outra área que tivesse em algum momento questionado ou mudado seu nome. Áreas como Finanças e Marketing, mantém seus nomes originais mesmo tendo incorporado novas atividades e processos ao longo do tempo, mas ainda me deparo com discussões nas empresas sobre o nome da area de RH...Então, se for por uma questão de baixa autoestima, segue aqui a boa notícia! RH / DHO / Gente & Gestão, é uma área que tem demonstrado cada vez mais seu valor para o negócio. São muitas as pesquisas realizadas por grandes consultorias junto ao C-Level, que confirmam a importância estratégica da área de RH para o negócio em temas como Liderança, Produtividade, Engajamento e Cultura Organizacional.

Outro ponto é que independente de como a área se chamar no futuro, David Ulrich reforça que o RH sempre será percebido como estratégico e indispensável se ele garantir:

- Uma administração de RH impecável;

- Praticas inovadoras e integradas a realidade de seu negócio;

- Transformar as aspirações estratégicas em ações de RH com o olhar para fora de suas organizações: para clientes, investidores e comunidades.

Agora, que voce profissional de RH, sabe que o reconhecimento virá como consequência de um trabalho realizado com qualidade e alinhado as necessidades do negócio! Chega de mi mi mi e mãos à obra!

#photo